Já ouviu falar em SHEEPLE? Sheeple é a junção de duas palavras em inglês: Sheep (ovelha) e People (povo). Essa expressão é usada para, de maneira nada delicada, classificar pessoas que obedecem a um sistema sem qualquer indagação ou interpretam o que lêem na mídia (detesto essa palavra) como verdade absoluta. Quando você ouve uma informação, você pondera ou apenas aceita? Você pesquisa sobre um assunto antes de concluir sobre ele? Duvida saudavelmente, fica curioso e procura saber mais? Ou apenas repete o que lhe é dito? Prefere concordar para não se desentender da maioria? Gosta de ter uma certa aparência para se sentir parte de um grupo? Segue a moda sem nem saber direito se gosta daquilo, ou  você tem um estilo definido? Compra loucamente porque ouviu que um produto é o item do momento? Não. Não estou misturando coisas. O consumo também faz parte disso. E não precisa se envergonhar de querer ser aceito num grupo. Isso faz parte do ser humano desde que ele existe na Terra. Mas por que então estou falando disso? Porque às vezes, nesse nosso hábito ancestral de pertencer, a gente fica meio que em transe e não pecebe o que de verdade acontece a nossa volta. Comentei rapidamente sobre isso na Campus Party deste ano porque ando obcecada com esta palavra “sheeple”. Falei sobre o quanto é importante estar alerta e presente nas nossas decisões, gestos e costumes. Ainda mais num tempo em que a gente recebe tantas informações e raramente tem tempo ou disposição pra tentar pensar pausadamente sobre elas  É importante prestar muita atenção nas pequenas e grandes coisas e ser completamente consciente do que fazemos. Existir sem consciência é ser levado por uma onda. E consumir sem propósito é ser vitima de um sistema de vendas (de produtos ou pessoas). Por isso fique sempre bem acordado. Lembrar de quem somos de verdade é o que nos diferencia de apenas fazer parte de um rebanho.

28 Comentários

  1. Sabrina Aimee

    Lembrei da ultima entrevista que vi sua, sobre ficar fixada em um tema ou assunto, né que é verdade rs.
    Agora falando sério, adorei o texto e a sinceridade, existem pessoas com a característica de liderança e outras um pouco mais acomodadas que só acompanham a onda.

  2. Fabiana Almeida

    muito legal essa materia.tem manual hoje? bjs

  3. Sabrina Aimee

    Lembrei da ultima entrevista que vi sua, sobre ficar fixada em um tema ou assunto, né que é verdade rs.
    Agora falando sério, adorei o texto e a sinceridade, existem pessoas com a característica de liderança e outras um pouco mais acomodadas que só acompanham a onda.
    Nós recebemos por dia cerca de 754 ações de comunicação, ou seja, um mundo de informações, quase todas passam desapercebidas. É incrível como a curiosidade e criatividade não são despertadas em certas pessoas.
    Você chama isso de sheeple, eu chamo de hipster! rs
    ps. Julia fazendo tendência no carnaval do rio… váárias colombinas (ou ovelhinhas) com o make do ultimo tutorial! rs

    • é isso: hipster e a necessidade de pertencimento a um grupo! as pessoas seguem as outras ou tendências não só por preguiça de pensar, mas por necessidade de se encaixar!

    • Entra amanhã. Gravei só hoje. Semana que vem voltamos ao “horário” normal. 😉
      bjsss!!!

  4. Curti! Temos que ficar sempre atentas mesmo para não sermos levadas por essa cultura do consumo.
    Maaasss, e o manual de hooje???

  5. excelente!
    eu sou do tipo curiosa e obcecada para saber mais. é complicado isso, nas minha opinião um pessoa são consegue emitir uma idéia, um ponto de vista, sobre algo quando conhece esse algo. Em alguns assuntos, não vejo problema em aceitar ou respeitar a opinião de alguém que entende do que está falando. Em outros momentos, momentos que a opinião ou idéia influencia a minha vida pessoal, procuro entender exatamente do que se trata e ai me posicionar. Hoje em dia é tanta informação e tanto produto para ser consumido (info pode ser produto) que não dá tempo de se qualificara para entender a todos ao mesmo tempo…. é só o blog da Julia, para me fazer vomitar palavras sem sentido no meio de uma tarde de quinta-feira!
    beijão Julia!
    e gente relaxa, teremos o manual quando ela conseguir soltar o manual…. que pressão. fui ;DD

  6. Ju parabéns pelo texto. Concordo plenamente com você. Queria saber se o Base aliada ira continuar na programação do GNT…. Espero muito que sim…
    Beijos

  7. Pois é Júlia, sei que sai um pouco do tema moda/etc, mas tem um filme chamado A ONDA que lembrei quando li seu texto. É a história de um professor na alemanha que ensina as crianças o que foi o nazismo e a mulecada começa a levar super a sério…é mto bacana pra ver o que acontece quando nao olhamos para o lado…nao pensamos de forma critica. é lindo enfim.

  8. Renata Guimarães

    Adorei seu comentário, pois penso exatamente assim. Tenho 33 anos e sou dona de 4 lojas de roupas femininas e sei bem até aonde a moda e suas tendências podem e devem nos influenciar.
    Sou sua fã. Te adoro!!!

  9. Aline Reis

    Marx, Weber e Pierre Bourdieu explicam melhor tudo isso. E explicam a muito tempo.

  10. É foda isso sabe… não são muitas as pessoas que gostam dos contraventores e quando gostam já são “sheeple”. E os grandes movimentos culturais da nossa sociedade provam isso. Parece que o nosso mecanismo social é tão “bem moldado” (no sentido ruim/irônico do termo) que já somos programados para ser “Maria-vai-com-as-outras”, em casa quando levamos bronca por descordar da opinião dos pais, na escola quando seguimos determinados comportamentos para conseguirmos nos encaixar seja lá em qual grupinho descolado ou não. Seguindo para universidade, idem. Não adianta parece que cada dia que passa, nós deixamos de exercer auto-crítica. Uma pena!

  11. Sabrina Aimee

    Julia posso fugir do tema só um pouquinho…
    Que que você acha de voltar com os encontrinhos heein????
    pense com carinho! <3 rs

  12. Camila Souza

    Eu super apoio uma turne internacional em NY, vem Julia!

  13. Olá.
    Já faz algum tempo que queria registrar o quanto eu gosto de Petiscos. Comecei a ler o blog por conta dos tutoriais de Marina Smith, mas logo virei mega fã, por várias razões. Gosto de ler o gênero blog; no entanto, na minha opinião, Petiscos tem todo um diferencial dento do gênero. Além de um extremo bom gosto em todas as publicações, propõe-se a uma variedade de assuntos sem igual por uma equipe totalmente competente. Amo especialmente as postagens de Breno Pires (para quem já fiz vários comentários a respeito de posts que até inspiraram minhas aulas num instituto federal onde leciono inglês para fins específicos), amo as dicas de viagens, amo os manuais de Jullia, que sempre me inspiram nos fins de semana, e por aí vai… Enfim, queria dar parabéns a toda equipe do Petiscos pelo trabalho tão sério e cativante. Eu já venho até pensando…. Vou começar meu doutorado em março; certamente meu tempo de leituras ficará concentrado nas tantas leituras que serão necessárias para minha pesquisa. Mas, se tiver que optar por um blog apenas, não haverá dúvida alguma que será Petiscos. Deixo aqui o meu obrigada enquanto leitora;) !

  14. silvana mara dias souza

    Parabéns pelas palavras. Como disse Roberto Crema, estamos contaminados pela “normose”. Somos autômatos ou seres humanos conscientes?
    Abraços,
    Sil

  15. Natália Gerhard

    Meninas, vocês chegaram a postar o vídeo da Julia na Campus Party? Não achei…
    Bjs

  16. Realmente é óptimo pessoas com opinião própria e de preferência que tb seja sincera e desinteressada.Mas às vezes me irrito por ter sempre de desconfiar do que ouço,de ter sempre de procurar a verdade da questão, porque cada vez mais as informações são dadas com interesses camuflados e acaba por cansar não se poder acreditar um pouco no que nos é dito por “quem sabe” do assunto. Mas nesses momentos agradeço à Internet :)por nos permitir o acesso a tanta informação e a nos ajudar a formar uma opinião pessoal acerca de tantos assuntos.
    Ainda assim preferia um mundo mais transparente e em que se pudesse acreditar mais nos outros.
    Bjs