Hoje apareceu um link do Man Repelller no meu Twitter com as seguintes aspas: “If a blogger has it, I don’t want it”, ou “Se um blogueira tem, eu não quero”. Cliquei e fui ler a matéria que fala das sandálias Carol da Isabel Marant. Aliás, Marant fez uma última coleção digna de muitas bibocas hippies espalhadas pela cidade. Que eu amo, mas jamais pagaria milhares de dólares por nada do tipo. Enfim. O post da Leandra me fez pensar numa sensação que tenho há tempos e que não necessariamente tem a ver com blogues, blogueiras, revistas e afins. Mas como algumas tendências deixaram de ser modinha pra virarem quase que um sinônimo de histeria e padronização. A gente passou por isso com os tênis de salto anabela (também culpa da Isabel Marant), bolsas estilo Celine, calças listradas Beetlejuice, saias mullet bizarras, camisetas de rotweiller… E agora vem a onda das malhas e moletons de tigre “tipo Kenzo” e as estampas chamadas de “azulejo” (que na realidade são de cerâmica) lançadas pelo Roberto Cavalli e copiadíssimas por todo mundo nesta estação. Quando a gente não quer parecer parte de um exército vestido numa loja de departamentos, fugimos destes estilos ou vamos acabar como as centenas de meninas que vimos na temporada passada nos corredores do SPFW, uniformizadas de shorts e calças listradas de preto e branco, e que em noventa por cento dos casos tinham o corpo deformado por listras mal feitas e roupas mal modeladas. Tudo isso só me faz querer cada vez mais comprar roupas atemporais ou roupas usadas, bem velhas e exóticas. Voltei até a costurar ultimamente porque estava com vontade de ter uma carteira feita a mão. Também me faz pensar em onde vai parar tudo isso quando, daqui a dois meses, ninguém aguentar mais tanta mesmice. Será que o mundo precisa de tanta produção de lixo? Será que os brechós dão conta de repassar tanta tendência batida? Mari Inbar me contou há alguns meses que muitas fast fashion estavam com as lojas lotadas na Europa, sem vender nada. Amigas de Nova Iorque me contaram que perceberam isso também. Será que passou? Não sei. Mas eu, que já vivia num mundo meio alienado de tudo, voltei a me inspirar em personagens de livros e filmes. Nunca antes tive tanta preguiça de qualquer coisa que vejo repetidamente em sites e revistas. E vocês?

Foto: Google

142 Comentários

  1. Nada me irrita mais do que comprar uma coisa que eu achei superdiferente e depois de um tempo ver que apareceu na novela e todo mundo está comprando.

  2. no ultimo fds fui a uma baladinha aqui em BH. Eu e miha amiga eramos as unicas meninas de calça no local, todas, eu disse, todas de vestidinho fechado a vacuo…não consegui ver se eram FRIBOI…aff

  3. Concordo plenamente contigo! Eu tenho um blog com uma amiga minha, mas nunca fui refém de tendência nenhuma. Todo mundo acha que para ter estilo tem que seguir as revistas e os blogs linha por linha, mas para mim, estilo é na verdade personalidade. E sempre falo isso no blog, os posts são para dar um ponto de partida, uma ideia pra quem tá “perdido”, não um manual que tem que ser seguido a risca.
    Beijão

  4. Concordo com o ponto de vista do texto, mas tem uma coisa que me incomoda. Me incomoda o texto ser escrito como se a autora e o próprio blog fossem alheios à moda e todas as suas imposições.
    Esse é um blog que trata não só, ok, mas também de moda. Grande parte do conteúdo aqui tema ver com isso.
    Há DIVERSOS posts publicitários, que visam vender produtos, estes mesmos responsáveis por padronizarem todos.
    Acho um pouco subversivo não reconhecer esse vínculo no texto, como se o blog e própria Julia não lucrassem com esse movimento. Mais ainda, acho interessante nenhuma outra leitora ter feito a mesma leitura do que eu.

  5. Acho que as fast fashion estão com os dias contados… e os blogs também!!!

  6. Laura Trindade

    É triste ver tanta gente babando por short da Zara e pagando caro pq a blogueira tal está usando, ignoram o processo de fabricaçao dessas roupas. Parece que n pensam, não tem opinião, não tem gosto, essa idolatria me irrita!
    Amei o post!

  7. camena guerra

    É realmente tudo que eu sinto desde meus doze anos, na época teve uma febre de meninas usando saia jeans de prega com meias 3/4 coloridas e tênis melissa. Era uma espécie de inspiração nas colegiais e todo mundo realmente anda uniformizado. Aprendi com minha mãe que se vestir é uma forma de expressar quem a gente é e acabei assimilando que se eu me vestia igual a todo mundo, eu era igual a todo mundo. E desde então eu meio que tento fugir de tudo que vira padronização. Lembro que ninguém gostava de usar uniforme, todo mundo reclama de estar igual a todo mundo e que louco é sair da escola e começar a se uniformizar mesmo podendo ser diferente. Sempre gostei de literatura e minhas primeiras inspirações de moda vieram dos personagens que eu gostava.
    Sempre gostei da combinação do p&b e listras, mas deixei de prestar atenção nessas peças. As tais saias assimétricas nem começaram e eu já cansei delas também. Não sei por outros lugares, mas aqui na minha cidade teve uma onda de saia de paete e camisa transparente e agora tá sendo substituída pelo top cropped. Sempre tive preguiça dessa onda até ver a Lily Collins, sempre linda e sempre usando de jeitos diferentes e sempre linda rsrs, até cogitei usar alguma coisa inspirada nela. Pena quem as meninas da onda top cropped se inspirem em blogueiras que se afogam na mesmice e não na linda Lily Collins, ouem contra linda ou numa personagem inspiradora

  8. Concordo igualmente, mulherada ve que fica bom em uma e sai por ai imitando e esperando o mesmo resultado, mas a unica coisa que conseguimos ver é realmente a falta de personalidade associado ao mau gosto!!

  9. É, tá chato demais. Antes a gente via só adolescentes com roupas muito parecidas entre si, agora as mulheres adultas estão padronizadas também. Cadê a criatividade, minha gente?

  10. Super concordo…. Ainda mais com a história que blogueira tem, eu ñ quero…. Nos últimos meses andei observando os blogs e instagram de blogueiros de diversas áreas, é um bombardeio de marcas, q eles recebem como mimos e ai porum periodo de tempo a timeline (principalmente instagram) fica completa de fotos daquela mesma sandália, bijoux e sapatinhos de crianças (mas na minha área)…. E ai é aquela euforia do eu tb quero e em tempo recorde conhecidos e outros nem tantos tb postam fotos quase padronizadas com aqueles “objetos de desejo”….. O diferente virou padrão!!!! :-/

  11. Queli Forgiarini

    Ufa, estou me sentido aliviada e ao mesmo tempo feliz de ler esse texto em um blog/site tão represetativo para moda no Brasil. Sou muito partidária dessa opinião que um exército de pessoas vestidas da mesma maneira é vazio… cadê a identidade das pessoas, o toque pessoal, o estilo…??? É por esse comportamento que em muitos momentos me pego desacreditada para não dizer “BROXADA” com a moda que por décadas foi muito interessante, em termos comportamentais principalmente. Até onde isso vai? Não sei, mas que o fato de estarmos falado e expondo a nossa opinião contrária a esse movimento já é uma começo ou um iniciozinho talvez de um novo momento, quem sabe?!

  12. Alguém sabe porque não teve vídeo de make a semana passada? Teve algum aviso que eu não vi?….acho que perdi alguma coisa, porque estava fora e não consegui acessar internet….se alguém souber, por favor, me responda! Obrigada meninas!

    • Estamos com um problemas nos computadores. Fizemos atualização nos Macs do estudio e eles agora estão corrompendo os arquivos de vídeo dos cartões SD. Já aconteceu isso com quatro vídeos. Tem muita gente reclamando do mesmo problema. Parece que é um bug da versão atual. Estamos correndo pra solucionar para o video desta semana. 😉
      BJsss!!

  13. Julhão, falou tudo!
    Eu não aguento mais essa mesmisse, essa falta de criatividade e preguiça de muita gente que prefere copiar do que fazer algo original!

  14. Eu sei que é feio apontar, mas tem uma blogueira (ou muitas!) que cada dia/semana/mês tem um estilo diferente: do boho chic ao preppy, tudo exatamente como manda a modinha da vez… ZZZzzzzzZZZZZZzzzz… Só fico chateada com as estampas de azulejo pq tem uma loja em São Luís que vende uns vestidos liiiindos com estampas dos azulejos portugueses característicos da cidade. Eu amooo e me achava super descolada por usar, mas agora fico parecendo maria vai com as outras, como se eu tivesse uma necessidade enorme de ser aceita e por isso vistisse o q mandam… um saco!

  15. Caracóis Indomáveis

    Pois… Eu também já não aguento ver calções-cueca, saias curtas à frente, artigos com tachas, etc…
    Essa moda das calças às riscas brancas e pretas é do pior!

  16. Rita Andrade

    Finalmente um grupo de pessoas que sente exactamente aquilo que eu sinto há já alguns meses. Acho que chegámos à zona decrescente da curva de benefício que a blogosfera traz a uma marca. Basicamente, neste momento o meu estado de espírito é “se “elas” têm, então eu não quero” – por muito que goste. Passámos o nosso estilo pessoal para segundo plano e virámos clones de tendências criadas por – muitas vezes – blogger de gosto extremante duvidoso (e nisso a blogosfera Portuguesa é exímia). Cada vez mais estou certa de que non-trend é o novo preto!

  17. Nunca sou de comentar em posts de blog e afins, sempre penso “Ah, a dona do blog não vai ler mesmo!”, mas esse eu tive que comentar. Apesar de eu não ser estilosa, viver com roupas comuns e simples, gosto de ler sobre moda e na minha realidade, ficanceira, me vestir bem. Há tempos que eu tinha essa impressão, cansei de acessar blogs “de moda” pois todas estavam iguais. TODAS iguais, tanto em roupa como em maquiagem. Resenha de produtos? IGUAIS. Roupas? IGUAIS. Não tem como se “espelhar”, se inspirar nessas blogueiras, a diferença não é mais diferente de fato. Concordo com suas palavras, as modinhas já estão ultrapassando o bom senso. Peças que antes de virarem modinha eram lindas se tornaram “feias”. É incrível como tudo ficou “banalizado”. Nas ruas se vê a mesma coisa, todo mundo igual. Em relação aos blogs, poucas blogueiras são ousadas e originais, são poucas as referências que temos para nos inspirar. Gosto MUITO do Petiscos por isso, são pessoas diferentes que passam através do seu estilo coisas ousadas para nós leitoras e nos encorajam a ser nós mesmas. Que o blog continue assim, original, com moda e sem modinha.

  18. Amei seu texto e vou colocar no blog do meu Brechó como um alerta para os que não pensam…e para que comecem a pensar!! um beijo da fã!!

  19. Julia, esse tema poderia render um bate papo mais dinâmico, o que acha? Reunir mais sei la 2, 3 quantas pessoas conhecer que poderiam opinar sobre, e fazer uma live no youtube pelo hangout, ou algo do tipo. Porque eu ando numa ressaca tão grande de loja. É uma sensação estranha, não consigo ver conteúdo de moda mais, muito chato. Minha referência tem sido mad men basicamente, e nem tudo vem pro guarda roupa contemporâneo, enfim, nem comprar eu consigo mais, mas digo comprar mesmo, achar aquela peça da vida sabe… Enfim, fica o apelo 🙂

    • Amei a pergunta! Tanto que resolvi fazer um post pra gente poder conversar com mais pessoas sobre isso. Vai entrar às 17:00.
      Bjsss!!!

  20. Luciana Machado

    Vez em quando eu venho ler esse texto pra ter certeza que gostar de moda, mas se sentir um peixe fora d’água por tamanha preguiça de todas essa padronização que tem transformado a moda real, de rua, em uma mesmice sem tamanho, faz parte e que tem quem compartilha desse mesmo sentimento.