Meus Petiscos

Agora você pode salvar seus posts favoritos. Cadastre-se ou faça Login para começar!

Para recuperar sua senha, digite seu e-mail no campo abaixo e clique no botão "enviar-me nova senha". Você receberá um e-mail com uma nova senha gerada aleatoriamente.



cancelar

Fashion Rio – final

O primeiro dia da semana de moda do Rio de Janeiro levou para a passarela poucas peças de inverno, em seguida, no segundo dia, vimos jeans, jeans e mais jeans: tecido que entrou nos desfiles das três marcas que desfilaram. Agora vamos conferir o que entrou nas passarelas de sexta feira e sábado?

Bom, apesar de ser a temporada de inverno 2014, a 2nd Floor levou peças bem fresquinhas para a passarela, pronta para encarar um dia de verão bem quente! E mais uma vez vimos que a estação não conta mais nada.

Os looks são todos com estamparia floral, com um cartela em que o cinza predomina e a coleção tem peplum e mais peplum! Perfeito para quem gosta do babadinho no quadril. Para os homens a marca também levou a estampa floral, com macacão e uma outra manga longa:

Andrea Marques levou para o Fashion Rio aquilo que faz de melhor: uma coleção elegante que pode vestir desde uma garota nova, até a avó (tirando as peças com a barriguinha de fora, claro).

Atemporal e elegante, que ganhou estampa linda com dois rostos femininos com cílios grandes e bocão bem desenhado. E assim como vimos na 2nd Floor, na Andrea Marques também tem peplum!

Se em São Paulo a Colcci tem Gisele Bündchen… no Rio, a TNG tem uma penca de globais! E nesse ano não foi diferente: a marca levou os escolhidos da vez para a passarela.

E vestiu todos eles com leggings e sapatos com tachas e spikes, além de oncinha para homens e mulheres!

Enquanto alguns atraem a atenção para as celebridades, outras marcas fazem tanto no styling do desfile que acaba tirando foco da coleção. (mais…)

Inverno leve

Fashion Rio – dia 3

Cada vez mais se especializando na alfaiataria, a estilista Andrea Marques apresentou na passarela do Fashion Rio a roupa como suporte de uma intensa pesquisa de estampas florais, gráficas e em formas minimalistas.
O verão 2014 da estilista chega com um perfume feminino mais arrojado do que antes. Faz contraste com rendas e bordados que se misturam com a rigidez dos shapes das peças. São vestidos retos, conjunto evasê de blusa e saia com estampa maxi floral (que abriu o desfile), bonitos vestidos com fendas transpassadas e conjuntos coordenados com blusa, blaser e calça florais. Na cartela, a estação ganhou mais cores vibrantes como o verde-lima e o amarelo. No final, a estilista também ensaiou a tridimensionalidade com bordados misturando contas de madeira com cristais.
Peça-desejo: Sandálias de salto weedges com tiras e mocassins brancos recortados na lateral, tudo de bom…

Sob a direção de estilo de Beti Speiski, a Sacada foi buscar nas artes plásticas seu fio condutor para amarrar toda a gama de cores, formas e texturas mostrado na passarela de verão 2014.

Nesta junção, a cartela veio bem colorida com tons fortes como o pink, laranja, esmeralda e amarelo. A coleção passeou em shapes slim e amplos, longos e curtos, além da cintura marcada com a saia solta rodada. Transparências e bordados deram um toque contemporâneo. Saia de seda, blusa de moletom bordada com paetês, branco total, grafismos e vestido colete, o resultado é uma passarela comercial com uma ampla pesquisa de texturas, beleza e trabalhos artesanais. (mais…)

Dia positivo!

Garimpo no fast fashion

Comprar em fast fashion exige inteligência de moda. A dica vem de Cris Guerra, do blog Hoje vou Assim, e diz respeito a saber selecionar e escolher peças diante de tantas ofertas – em quantidade e preço. “O preço não pode ser considerado o principal atributo, senão você vai compar porque é barato, vai gastar mil reais, e seria melhor ter comprador uma peça de marca”, aconselha.  O jeito é ir ao fast fashion como se vai a uma liquidação: com foco. Tudo bem dar uma olhada geral, mas pense nas peças que você realmente precisa ou gostaria de ter.
O que fazer, então, para comprar no fast fashion sem se arrepender depois? Cris vai na contramão dos que acham que ali é lugar de comprar modinha. “Eu prefiro selecionar peças mais clássicas, com um corte melhor e tecidos mais encorpados. Estou numa fase blazer e tenho me surpreendido com os da Zara e da linha Yéssica, da C&A”. Escolheu um florido na C&A, um clássico da Zara e um vermelho na Renner, onde também comprou um casaco de couro falso marrom que adora.
Se a ideia for levar pra casa peças de tendência, ela prefere comprar blusas do que calça. A parte de cima, de tecidos mais molinhos, como malha, denotam menos uma eventual falta de cuidado com a modelagem. Cris sugere que a gente fique de olho nas coleções assinadas. “Gostei muito das parcerias da Andrea Marques e Carina Duek com a C&A, mas detestei a da Maria Bonita Extra, que de Maria Bonita Extra só tinha perfume”, diz.  É, para ela, a alternativa mais viável em termos de custo-benefício. “Se não for na parceria com o fast fashion, a roupa nas lojas  das marcas são muito caras. A Zara também fica nesse meio-termo”.
Ela também vê com bons olhos as linhas feitas com estrelas do pop, como a que a a C&A acabou de lançar com a cantora Rita Ora. “As marcas estão arrasando em termos de marketing, estão sabendo vender e perderam o estigma. Comprar em fast fashion virou cool, até por conta de Kate Middleton, Michelle Obama. O importante é saber escolher e misturar.”

Foto: Pedro Furtado.

Inteligência de moda

Fashion Rio – Dia 3

Neste inverno 2013, a estilista Nica Kessler aposta num momento de férias com direito a um cruzeiro pelos fiordes nórdicos. As modelos passeavam pela passarela com amplas pantalonas e maxi saias fluidas estampadas, bem ”cruzeiro” e tropical de ser. Geometria e formas da natureza inspiraram a estilista que deu um toque urbano a uma coleção mais comercial. O estilo náutico foi incrementado por diferentes listas manchadas criadas à moda artesanal. Com shape ajustado no corpo, os dois looks de tricôs com
aplicações de maxi pérolas e cristais não causou efeito, porém vale a pena ver de perto as peças em organza, como a camisaria com pala de couro, chemisier estampado e saia rodada curta e ainda as pareôs curtinhas. No final da coleção, a dupla maxi pijamão estampado com pantalona e o jacquard geométrico fizeram bonito.

Veja mais imagens do desfile de Nica Kessler:

Bonito de se ver… da alfaiataria ao jogo de estampas de hibiscos e leopardos, a estilista Andrea Marques manteve sua pesquisa de volumes, shapes e tecidos em sua coleção. Para o inverno 2013, o militarismo foi a base de inspiração que deu às peças ares femininos com toques mais estruturados na alfaiataria. Como a lapela nos ombros e os bolsos utilitários. Com shape sequinho e solto no corpo, Andrea brincou com as silhuetas. No tailleur, a calça é skinny e curtinha mas o blazer é longo e maxi. Com gostinho de quero tudo para o meu armário, a estampa de hibisco faz o clima vintage quando produzida com azul claro e beges nostálgicos.

Veja mais imagens do desfile de andrea Marques:

Mineira, a marca Patachou se inspirou na montanhas da sua terra natal, Minas Gerais, para criar um inverno ligado à natureza. Luz das encostas, os tons diferentes das temperaturas no verde florestal foram buscados para desenvolverem estampas e shapes diferenciados. Para criar um contraste mais estruturado, o sportwear sofisticou ainda mais o trabalho da coleção em detalhes na malharia. Por isso, o shape é reto e confortável. Vestidos, saias, blusas e calças ganharam volumes, texturas e rendas. Uma coleção simples e chique nos detalhes.

Veja mais imagens do desfile de Patachou:

Por: Helen Pomposelli
Fotos: Agência Fotosite

Até a próxima temporada!

Uma fábrica de verão


Riqueza da fauna e da flora nacional se encontram nas passarelas do verão 2013 nas coleções do Fashion Rio. Um verão tropical com efeitos tecnológicos e gráficos: mochilas digitais com imagens de modelos da Blue Man, estampas gráficas que criam efeito de ilusão do deslocamento da imagem da Maria Bonita Extra, alfaiataria em tecidos tecnológicos da Cantão, macacões utilitários do OESTUDIO, couro com tratamento artesanal, assim como no linho e na seda vindos da passarela da Ágatha, da New Order e da Cantão.
Um tropicalismo que mostra menos o corpo e revela uma silhueta mais solta, com recortes e formas que apresentam sutilmente a sensualidade de uma estação quente. Menos volume, porém muito tecido pesado, fluido ou estruturado. As fendas se abrem na coleção da estilista Andrea Marques, os plissados da Patachou são sofisticados, os decotes somem, mas voltam com classe as transparências como aconteceu em quase todos os desfiles.
O som que toca é o final dos anos 50 com o início dos 60 e a rebeldia é doce e romântica. Uma época do comprimento midi, das plataformas de madeira, dos saltos maquinetados com influência art deco da Extra, da mini ombreira e do sexy-low da Auslander. Tudo na medida certa. Nas texturas, prestem atenção na guipure estampada e prensada da Extra.
As flores voltam de forma decorativa, enormes com fundo preto ou claro como nos desfiles da Andrea Marques, Alessa e da Auslander, campestres de uma maneira lúdica da estilista Nica Kessler.
Os poás pedem licença devagar na passarela como os shortinhos da estilista Nica Kessler e da Extra e o minimalismo é puro sem mesmo não tendo o que falar.
Na moda praia, um luxo tropical na Lenny, Blue Man e Salinas. O maiô branco, peça aposta para o verão que abriu todas as passarelas, ora com pontos fluo, ora com estampas de folhagens e flores, e bem cavado.

Recortes esportivos fizeram um efeito mágico à moda jovem com mistura de brilhos, texturas e sobreposições. Esporte e chique, bem anos 90, o mar apareceu em estampas com efeito, rebordadas com pérolas, paetês foscos e foil dourado como na Coven, Alessa e Blue Man. O top é a parte de cima do biquíni que mais acompanhou as coleções da Lenny, Salinas e Blue Man. Descomplicado, o verão pede menos acessórios e mais design.
Na cartela de cor, branco, amarelo, laranja, azul bic se misturam e entram em êxtase no psicodelismo das mandalas e arabescos orientais que apareceram na Patachou e Coven, dos efeitos holográficos e dos estruturados minimalistas. É tempo de dar um mergulho no mar e pensar na vida olhando o pôr-do-sol. Deixando os efeitos das cores e da energia entrarem na sua moda de viver.

Por: Helen Pomposelli
Fotos: Agência FotoSite

Verão 2013

Fashion Rio – dia 5


Sensibilidade e generosidade abriram a passarela do último dia de Fashion Rio – Verão 2013 com o desfile do OESTUDIO. O grupo apresentou nesta edição uma interessante pesquisa dos hábitos, materiais e modelagens na vida dos moradores de rua. A coleção de verão também aproveitou o trabalho artesanal com papel dos Homens de Emaús resultando verdadeiros casulos de roupas e acessórios feitos de origami. Mais que uma marca de roupa, o OESTUDIO sempre apresentou um estilo de vida seja tecnológico, artesanal ou natural. De estação a estação, o grupo não só funciona como lançador de tendências mas como um conjunto de pesquisas. Sem perder essa identidade, a coleção foi lançada com modelagens confortáveis, peças utilitárias femininas e masculinas, camisas recortadas e remendadas que remetiam serem feitas com pedaços de sobras de tecido, jaquetas de nylon e muita mistura de materiais como o algodão com o linho. Uma maneira de ver a realidade das ruas de forma leve e descontraída.
É OESTUDIO: as amarrações por todos os lados das roupas formando “roupas-saco”, vestidos recordados deixando o corpo a mostra num visual total amarelo, peças inusitadas infláveis colocadas nas costas dos modelos chamadas ” Monumentos Móveis” e o AllStar de cano alto estampado.
Veja mais:


Aplicações de bordados e forma solta no corpo trouxeram novos reflexos para o verão 2013 com a coleção da estilista Andrea Marques. Riqueza nos detalhes como os bordados em vestidos transparentes sobre bodies e camisetes, e os vestidos de silhueta anos 20 com recortes geométricos entram na lista definitiva de quem vai querer uma alquimia entre o romântico e o contemporâneo. A estilista, que sempre antecipa tendências, aposta na atração dos opostos, na beleza dos contrastes de tons e na riqueza da alfaiataria com ricos detalhes de uma maneira sutil de representar a etnia mexicana. O comprimento é o médio e os florais, quase que retirados de uma cartela de papel de parede, ganham fundos pretos e claros. Andrea pontua a coleção com amarelos e tons frutais e reinventa uma silhueta fluida com suas saias de pala com pregas. Tudo muito bonito e leve de ser.

Veja mais:

Para causar desejo à peças da passarela da Auslander, a trilha sonora do Dj Nepal remeteu às festas que o diretor criativo Ricardo Brautigam realiza e que já são famosas. No visual, o topete, que já virou um clássico no Fashion Rio, bem anos 50. Mais uma vez um maiô branco abre o desfile exibindo a sensualidade roqueira que a marca conserva em seu conceito. Os florais também fazem parte do verão da marca e aparecem em camisas transparentes, bodies e bermudas masculinas. A marca apresentou um mix esportivo com alfaiataria no stylist das produções como a bermuda de surfista sendo usada com cardigã e alfaiataria e a maxi regata floral em fundo azul masculina e o blaser floral feminino sem mangas com uma pequena ombreira. “Inside heroes” tem como peça-chave o vestidinho ultra curto criado por “Cadinho” que já vem costurado uma calcinha comportada dourada. Como um macaquinho, uma roupa ideal para uma heroína da noite.

Veja mais:

Por: Helen Pomposelli
Fotos: Agência FotoSite.

Quinto dia

Andrea Marques

Como não sair suspirando de um desfile da Andrea Marques? A estilista, que dessa vez se inspirou em Copacabana, mostrou mais uma coleção chique e cheia de peças desejo, misturando a carioquice do bairro inspiração com o estilo ladylike. Por exemplo: lembra da camisa de gola de laçarote, tão em alta no último inverno do hemisfério Norte? Andrea mostrou um modelo com amarração no pescoço e sem mangas bem a cara das cariocas. Ou a mistura de estampa de bicho com floral, que a D&G fez em sua última coleção mas não fez muito sucesso entre nossas petisquetes: na passarela de Andrea Marques o resultado vem elegante, em uma silhueta mais ampla sem perigo de ficar kitsch.
Mas sem dúvida os looks mais lindos da coleção contavam com uma saia de seda de barra estruturada, resultando em um desenho lindo: rodado, cheio de movimento mas sem volumes perigosos. As fãs de laços e babados vão adorar a coleção, tão feminina e elegante, e os colares com flores enormes deveriam morar na penteadeira de todas nós.
Quanto a beleza, Daniel Hernandez carregou no iluminador em mais um make bem leve, e o cabelo veio preso em um coque podrinho com apenas uma mecha marcada com gel brilhante. O resultado ficou interessante.
_MG_4610
Princesinhas do mar muito chiques!


Fotos: Nina Jacobi

Andrea Marques

São desfiles como este que Petiscos gosta de assitir. Andrea Marques deu um show de elegância. A estilista  abriu seu desfile com ótimas estampas, aplicadas em seda, que lembram asas e uma espécie de renda de couro, feita com tecido sintético. O brilho veio em peças de lurex e em um conjunto de calça e blusa nude todo bordado com paêtes dourados. Os vestidos que todo mundo espera de Andrea, só vieram do meio do desfile  para o fim. Todos fluídos, alguns com cintura marcada, também estampados, e com  aquele comprimento que as petisquetes tem pavor, no meio da canela. Pois bem meninas, ninguém ficou a silhueta achatada, ficaram chiquerrímas, isso sim.
IMG_7780
Esvoaçante no inverno.


Fotos: Nina Jacobi

título do post

ok
erro
ok
erro
ok
erro