Meus Petiscos

Agora você pode salvar seus posts favoritos. Cadastre-se ou faça Login para começar!

Para recuperar sua senha, digite seu e-mail no campo abaixo e clique no botão "enviar-me nova senha". Você receberá um e-mail com uma nova senha gerada aleatoriamente.



cancelar

Não se assuste

Como ficaria um rosto atingido por uma bola de beisebol a 144 km/h? É, a resposta pode não ser tão exata assim mas parece que teve um cara nos Estados Unidos que conseguiu responder essa questão! Delino DeShields Jr, que atua no time Houston Astros (que faz parte de umas divisões menores do esporte lá no Tio Sam), levou uma bolada nessa velocidade em uma partida na última semana. Impressionante! Apesar dos pesares, o rebatedor ainda postou uma foto depois em sua conta no Twitter para tranquilizar geral, fez piadinha e também mandou um joia sem a menor crise.

Delino-DeShields

Uau! A parada ficou sinistra mesmo, hein? Bom, provavelmente com o passar dos dias e com o efeito dos remédios sua face deve desinchar. O atleta disse que quando olhou o resultado da pancada no espelho pela primeira achou super engraçado, ou seja, daqui para frente o maluco pode até investir em dar palestras daquelas do tipo ”dez passos de como lidar com uma adversidade” porque depois dessa…

Foto: Twitter Delino DeShields, Houston Press

...tá até fazendo sucesso com a mulherada. É mole?

Estripulias

neymar

Parece que nem a proximidade do inicio da Copa do Mundo é capaz de fazer o Neymar parar quieto, hein? Apesar de ter sido eliminado recentemente da Liga dos Campeões junto com seus parças do Barcelona, ele deu uma animadinha para fazer uma nova gracinha! Explico: é que a Castrol contratou o camisa dez do Brasil para desafiar o doido Ken Block que volta e meia surge do nada com suas gincanas no volante. Quer saber quem levou a melhor nessa disputa maluca que só dá para entender assistindo? Então aperte o play (e os cintos)!

O Neymar dá uma bela de uma disfarçada em vários momentos da gravação, mas duvido muito que ele não tenha sentido um gelinho nas horas em que o piloto passou bem pertinho dele com o carro fumaçando! Pelo placar final com certeza podemos esperar por novas aventuras da dupla veiculadas em breve, afinal o investimento na campanha foi pesado.

Foto: Rushlane.

Quanto mais audiência, mais dinheiro desembolsado

Que m*** é essa?

merda

Já reparou como não faltam marcas querendo tirar uma casquinha com as polêmicas da Copa do Mundo de 2014 no Brasil? Primeiro foi a alemã Adidas – que dividiu opiniões entre uma brincadeira ou uma tremenda falta de respeito – com suas camisetas ilustrando um bumbum com fio dental; depois foi a vez de Sérgio K conquistar um abaixo assinado para tirar de circulação a sua linha de camisetas que associou o nome de famosos jogadores de futebol a palavras ofensivas. Achou que já tinham parado por aqui? Que nada! Agora foi a vez da holandesa CoolCat lascar um “MERDA” em caixa alta verde na camisa amarela que tem a bandeira do Brasil estampada.
A cara de pau é tamanha que a marca ainda lançou um desconto para quem encomendar duas camisetas na loja online!
E ai? Mais alguém a fim de pegar o bonde da Copa e mandar uma polêmica gratuita? Ou já podemos parar por aqui?

Foto: CoolCat.

Cutucando a onça com a vara curta

Essa tem história

MCD

Marcas cabulosas são assim: quando você se pergunta por onde elas andam… lá vem uma, lança uma bomba e faz sua cabeça pirar! Foi o que a MCD fez! Uma das marcas que mais causaram na época da minha adolescência, divulgou as imagens de sua nova coleção Verão 2014/2015.
A coleção, chamada de ”Reloaded” – que significa o resgate da origem e a celebração de grandes momentos, foi totalmente inspirada nos elementos que compõem sua essência como surf, tatuagens, música, baralho e muita diversão. Chora porque o resultado ficou chapado e vai agradar muito sobretudo quem é das antigas!

A linha que é composta por bermudas, calças, camisetas – que aliás sempre foi o que mais chamou atenção na MCD, bonés e acessórios. É o core, playboy! Mas relaxa, ok? As peças não tem data para chegar nas surf shops brasileiras, pelo menos por enquanto. Afinal, ainda estamos no outono. Até lá, fique com o vídeo da campanha:

Fotos: Divulgação.

Tô ligado que você ficou louco para usar

Um papo com Pedro Scooby

pedro-scooby

Yeah! Não sei se vocês estão ligados nessa, mas na semana passada a Nike inaugurou uma loja em Copacabana dedicada exclusivamente aos produtos de sua linha de futebol. Gostei do que vi por lá, mas curti principalmente o terceiro andar, onde troquei uma ideia federal com o respeitado Pedro Scooby – que faz parte do time da marca. Espetacular! Falamos de absolutamente tudo: sua nascimento no surfe, a relação que mantém com o dinheiro, o amor pelo filho e pela esposa, a história da música que o Arlindo Cruz fez para ele e também sobre os dias mais inesquecíveis de sua vida. Maneiro, hein? Assim sendo, depois da entrevista com o guerreiro Fernando Fernandes, o Pra Macho segue no esporte, dessa vez acompanhado de um dos maiores surfistas de onda grande do planeta! Vem com a gente, meu brother:

Pra Macho: Como foi o início de sua história com o surfe?
Pedro Scooby: Eu comecei a pegar onda aos cinco anos de idade com meu pai, que e é fazendeiro, só que um pouco depois ele se distanciou muito da praia e eu consequentemente. Quando eu voltei a surfar, com uns dez anos, voltei meio atrasado da galera. Já tinha os campeonatos do pessoal da minha idade, mas eu não participava e nem fazia nada. Só que ai minha evolução foi bem rápida, até porque eu já andava de skate e com mais ou menos uns 12 anos, comecei a competir. A partir dos 14 fui despontando no campeonato brasileiro, dois anos depois já disputei a seletiva para o mundial e foi uma época em que me dividia entre o surfe, as viagens e a escola. Daí, eu tava mal nos estudos e meu pai perguntou quanto tempo eu queria para saber se eu iria conseguir ser surfista profissional, ganhar dinheiro com isso ou não. Eu pedi para ele um ano. Foi justamente ali que eu bombei muito, fechei meus primeiros contratos internacionais…

PM: Aliás pouca gente sabe, mas faz muitos anos que você é patrocinado pela Nike, não?
PS: Muito! Oito anos! Eu fui o primeiro atleta do Brasil de surfe da Nike! Mas voltando… essa fase em que despontei foi seguida do meu abandono das competições. Peguei um caminho de contramão. Eu sempre tive esse lado de tentar trazer uma irreverência e busquei essa cultura do free surfer (forte lá fora) que é o cara que não compete, mas que tem o mesmo talento de um competidor. Ele vai para um outro lado, busca fazer uns vídeos, trabalha com mídia e também é muito valorizado! Mas o Brasil não conhecia muito isso. Quando eu entrei para a Nike eu já era free surfer. Depois de um tempo mandei uma manobra que ninguém aqui mandava, dei um aéreo pelado brincando e foi ai que chegou uma hora na minha vida – com uns 20 anos – em que eu estava viajando para um lugar, meio que me encontrando com muitas coisas dentro de mim e queria uma coisa diferente. Tinha ficado três meses sem pegar onda, parado com o pé quebrado, e a Nike me apoiou incondicionalmente. Renovaram o contrato comigo mesmo quando eu fiquei lesionado, me abraçaram e na viagem para o México e naquele dia em que teve “o maior mar do ano” simplesmente peguei a melhor onda grande no meio de um monte de profissionais dessa categoria. Tava gigante, acabei concorrendo vários prêmios com ela e nos Estados Unidos eu fui o mais jovem a concorrer em premiações desse segmento de onda! Daí o Carlos Burle (um renomado surfista brasileiro) me apadrinhou, pois viu que eu tinha talento para enfrentar essas ondas, me foquei bastante, treinei e me dediquei bastante. Englobei uma coisa maior no mundo do free surfer no meu repertório. Porque antes eu pegava onda pequena, média, grandinha e até pipeline e tal, mas ai quando eu botei onda gigante me senti completo! Tipo, qualquer condição eu posso bombar, arrebentando e todo mundo ver que de fato eu surfo muito, já que no surfe tem muito disso: quem pega onda grande não pega onda pequena e vice-versa. E eu tinha uma vontade de quebrar essa regra, fazer tudo e consegui. Em outubro de 2013 eu surfei o maior swell da história em Portugal, peguei o maior swell lá do Taiti, então fui cada vez mais extrapolando os limites, colocando coisa nova e é assim: sou um cara que eu não para.

PM: Fora do mundo do esporte, como nas artes, tem que rolar uma liberdade para que a criação possa fluir. Como free surfer, imagino que a parada seja parecida. Quais outras pessoas, sejam elas atletas ou até mesmo músicos, atores e tal que são inspiração para você nesse sentido?
PS: Tem muitos! É que assim… eu não sou só free surfer no mar. Eu sou assim na vida. Sou free na vida! O Scooby surfista é resultado de como o Pedro é na vida normal. Eu amo samba! Eu gosto de pagode, tenho amigo jogador de futebol, e eu sou cara que os meus ídolos não são nem do surfe. O Neymar, além de ser meu irmão, é meu ídolo! O moleque é inspirador e não somente pela nossa amizade, mas pela pessoa que ele é e por tudo o que ele faz, o LeBron James é o meu ídolo máximo! Gosto do skatista Pedro Barros, e eu sou muito fã de quem tem estilo próprio na vida. Sou amarradão nisso. Eu acho que vai além do talento natural que a pessoa tem e cai no que ela é, o que ela passa e o que ela vive. É uma extensão do ser humano. Não é só ser o cara talentoso que esta ali e acabou. É aquele que tem atitude, que pensa, tem estilo, um jeito de atuar, e que consegue ultrapassar tudo isso para o exterior! Exterioriza e isso me inspira muito, já que você leva o que você é na vida para o esporte. Então fica com mais sabor.

PM: Você lembra qual a sensação que você teve quando surfou a primeira onda grande? Tipo, velho, eu peguei isso…
PS: Sim! A sensação maior foi quando eu sai da água. A praia inteira começou a bater palmas e um dos melhores do mundo em onda grande veio me abraçar, me elogiar e compartilhar aquele momento. O surfe é muito doido! É uma adrenalina muito rápida dentro de uma onda muito rápida, então você fica no auge do negócio e quando aquilo passa, é o maior prazer do mundo. O prazer está na hora que você pega a onda, mas ali não dá para saborear muito. Só dá para saborear direito quando acaba.

PM: Como trabalha dentro de si mesmo essa relação de perigo que há na categoria de surfe que pratica? Um certo frio na barriga antes de sair de casa para viajar, dar um beijo no seu filho, outro na sua mulher e não saber direito se volta…
PS: O que acontece na minha vida, na verdade, é que eu tenho essa coisa de precisar de adrenalina para viver! Eu gosto. É combustível. Quando meu filho nasceu, eu fiquei pensando no que ia acontecer… (mais…)

Certíssimo, Scooby. Boas ondas, meu amigo!

Feminino como?

A pergunta era bem simples e veio de um menino que estava na plateia de uma sessão de perguntas e respostas infantil com o elenco de “O Incrível Homem-Aranha 2″. ”Como foi que o Homem-Aranha fez seu uniforme?”, perguntou o menino para Andrew Garfield, que conseguiu com sua resposta dar uma atiçada nos ânimos da namorada, Emma Stone.
Explicando que o super-herói produziu seu uniforme com suas próprias mãos, brincando que ele teve algumas aulas de corte e costura, o ator emendou: “É algo meio feminino de se fazer, mas ele conseguiu um uniforme bem masculino de uma coisa muito feminina…”. E parou por aí, porque Garfield foi prontamente interrompido pela namorada: “É feminino como?”, mandou a atriz na lata. “É incrível como você tomou isso como um insulto”, respondeu o ator, rindo, mas Emma não deixou barato: “Não, não fiquei insultada, estou perguntando como isso é feminino”.
Encurralado pela pergunta muito pertinente de Emma, Andrew seguiu explicando que para ele, feminilidade tem a ver com delicadeza e precisão, dando como exemplo sua mãe: “Ela é uma incrível artesã. Foi ela quem fez minha primeira fantasia de Homem-Aranha, quando eu tinha três anos, então para mim isso é uma coisa boa. Um elogio ao feminino, não apenas no lado feminino das mulheres como também dos homens. Todos nós temos este lado dentro de nós, meninos!”, disse o ator, usando o climinha para dar uma boa lição aos meninos da plateia.

Foto: Getty Images

Não passou batido

Sempre em alta

Um dos carros das antigas que não perde seu ar romântico e ao mesmo tempo agressivo é o Corvette! Mas essa é uma virtude da Chevrolet que nem todas as outras fabricantes tem no que se refere às carangas mais clássicas – muitas vezes eles tiram o charme e a elegância que o automóvel tinha antes ao exceder na modernidade do design.
O Corvette foi apresentado em uma nova versão também conversível, assim como aquele que mostramos no ano passado, perfeito para dar um role escutando Tim Maia! Trata-se do modelo Z06 2015 que virá ao mercado cheio de novas tecnologias ainda não reveladas, mais motor V8, 6.2 , 625 cavalos de potência no pente e com um desenho bem classudo. Analisa o invocado ai:

corvette

Fotos\: Car and driver.

Nunca perde o trono

Sessão ativista

Quem lê o Pra Macho com frequência sabe que o surfe, sobretudo nos últimos tempos, tem seu espaço por aqui! Seja uma novidade sobre o Kelly Slater, uma quentinha do nosso Gabriel Medina ou até mesmo uma dica sobre uma produção legal do mundo das ondas… Por isso, lá vai mais uma para te deixar na maior vibe: o Canal OFF (que aliás, é irado!) vai transmitir hoje – em homenagem ao Dia da Terra - o documentário ”Manufacturing Stoke”, do diretor Pierce Kavanagh.  O trabalho conta com um olhar intimista sobre a cultura do surfe e, ao mesmo tempo, chama a atenção de todos para os problemas do meio ambiente, estimula a reciclagem e a preservação dos recursos naturais. Ou seja, questões relevantes!

Manufacturing-Stoke

A gravação mostra também a luta dos membros de uma comunidade para buscar mudanças positivas em prol da harmonia entre o homem e a natureza, algo essencial para a prática do esporte. Curte ai um trechinho do filme:

MANUFACTURING STOKE from misfit pictures on Vimeo.

Manufacturing Stoke no Canal OFF
Exibição: terça-feira, 22/04, às 23hrs

Foto: Frame.

Precisamos aprender muito com eles

Cuca fresca

Em meio a tantos cabelos curtinhos, daqueles que o pessoal chama de “requinho“, o homem-aranha Andrew Garfield se destacava pela vasta cabeleira. Porém a juba, sempre com muito gel, ficou no passado para o ator, que apareceu ontem em um evento de promoção de “O Incrível Homem-Aranha 2″ ao lado da namorada Emma Stone de cabeça raspada. Garfield já havia dito no passado que depois de uma maratona de tapetes vermelhos, o que ele mais quer fazer é se jogar num bom pijama e ficar careca. Taí, uma das partes ele já conseguiu.
Outro que respira aliviado após uma passada no cabeleireiro é Daniel Radcliffe: o ex-bruxo Harry Potter, que já tinha reclamado do visual de ermitão que ostentou há pouco tempo por conta de um papel, apareceu na pré-estreia de sua nova peça na Broadway de corte novo, raspado dos lados e um pouco mais comprido em cima.

daniel-radcliffe

Fotos: Getty Images

Prontos pro verão

título do post

ok
erro
ok
erro
ok
erro