lulu

Um aplicativo em que as só as mulheres visualizam as notas (que elas mesmas avaliaram) de cada carinha presente no Facebook. Essa foi a semana de ler e ouvir falar sobre o app Lulu, que poderia ser mais uma brincadeirinha inocente no seu iPhone. Deu no que deu: uma grande polêmica e mais uma discussão feminista que não vai dar em lugar nenhum. Até as pessoas enjoarem e esquecerem que o Lulu existe, ainda vamos enfrentar alguns questionamentos, como se vale a pena mesmo gastar 15 minutos do seu tempo para avaliar aquele cara que te deu um fora e providenciar uma vingancinha que talvez não faça mal a ninguém. Se a gente for analisar mais a fundo e friamente, era exatamente essa a proposta do então “The Facebook”, que depois virou apenas Facebook: dar nota para cada aluno das universidades pela foto publicada no anuário deles. E aí a rede social acrescentou mais algumas coisinhas… Mas é pouco provável que o app Lulu chegue tão longe.
Ele atende apenas o público feminino, e clubinhos tão restritos e exclusivos que infelizmente só funcionam para os meninos (sem querer parecer machista, ok?). De qualquer forma, as intenções de Alexandra Chong são exatamente essa, propor um tipo de irmandade entre as garotas e diverti-las com o uso do seu novo aplicativo, que parece ter marketing demais para conteúdo de menos! Enquanto isso, nós mulheres podemos nos divertir mais é com a reação masculina que está prestes a ser avaliada do que com o aplicativo em si – e vale ressaltar que ainda há muita discussão sobre a legalidade da exposição de dados de terceiros no Lulu.
Mas para entender melhor o que há por dentro da mente brilhante de quem lançou essa ideia, conversamos com Alexandra Chong, que nos explicou os motivos para criar o app Lulu:

Alexandra-Chong

Petiscos – O app Lulu causou muita controvérsia no nosso Facebook. Muitas pessoas argumentam a favor, outras não. O que temos lido bastante é que ele gera ódio entre as pessoas, entre o homem e o lugar. E alimenta a desigualdade, o ódio, o sexismo e feminismo. Você acha que estas perspectivas são feministas? Já fez algum trabalho antes relacionado ao feminismo?
Alexandra Chong – Eu definitivamente me considero uma feminista! Eu o construí para ser uma rede privada e segura, para que as meninas possam compartilhar suas experiências e obter informações para tomar decisões mais inteligentes. É um produto que sabemos que as meninas precisam e é uma grande oportunidade para ser explorada. Eu olho para Lulu como um passo à frente para as mulheres.

P – A primeira coisa que pensamos depois de baixar e testar o aplicativo foi: “adoraria avaliar tal pessoa, porque ele é mau caráter, para que outras meninas não passem o que eu passei.” Essa seria a função para a qual foi criado o Lulu?
AC – As mulheres quererm ter referência de tudo em suas vidas – na carreira, na casa e até em restaurantes. Elas deveriam ter referências para outras coisas mais importantes, como por exemplo o relacionamento. Descobrimos que a grande maioria das avaliações são positivas. As meninas recorrem ao Lulu para recomendar seus amigos e falar a respeito dos caras bacanas que apareceram em suas vidas.

P – Por que o aplicativo não pode encontrar todos os caras que estão no Facebook, mesmo que eles não tenham bloqueado?
AC - Nós respeitamos as configurações de privacidade do Facebook e construímos o Lulu para ser seguro e positivo para meninas e meninos. Se eles não querem ser avaliados por seus amigos no Lulu, removemos ele imediatamente.

P – O aplicativo funciona como uma forma de vingança das mulheres? 
AC – O Lulu não é sobre vingança. Trata-se de um lugar seguro em que apenas as mulheres podem acessar e tomar decisões inteligentes. Nós construímos o Lulu para ser algo positivo para as meninas e os meninos, e é assim que vemos as garotas que usam o Lulu. Além disso, sabemos que as meninas são espertas. Elas sabem a diferença entre uma avaliação ruim e dez avaliações ruins.

P – Na nossa opinião, o aplicativo é importante porque ele cria uma irmandade feminina, o que até agora era algo ausente, porém presente no universo masculino, está certo? O Lulu procura formar uma certa irmandade feminina?
AC – Está totalmente certo! Nós vemos o Lulu como um lugar para mulheres ajudarem outras mulheres. O app ajuda aquelas que querem se aproveitar da sabedoria das demais, a partir de uma experiência coletiva.

Fotos: Lulu, Liliane Ferrari

E você? Faz parte desse clube?